Grande Bom Jardim tem mais mortos pela Covid-19 do que cidades como Juazeiro do Norte e Sobral – Metro – Jornal Notícias do Ceará

Do início da pandemia de Covid-19 em Fortaleza até a última sexta-feira (5), morreram só no Grande Bom Jardim — que, além do Bom Jardim, abrange os bairros Siqueira, Granja Lisboa, Granja Portugal e Canindezinho — 378 pessoas infectadas com o novo coronavírus.

O número, que consta no último boletim epidemiológico divulgado pela Prefeitura da Capital, é maior do que o acumulado de óbitos em grandes centros urbanos do Ceará e com população estimada semelhante à do Grande Bom Jardim, como as cidades de Juazeiro do Norte (357), Sobral (357) e Maracanaú (302), segundo dados do IntegraSUS até 8h53 deste domingo (7).

O alto nível de mortalidade no Grande Bom Jardim mobilizou moradores a, ainda no ano passado, na primeira onda da pandemia, criar o Comitê Popular de Enfrentamento à Covid-19 para cobrar do poder público estratégias específicas e contextualizadas à realidade da periferia, que difere em muitos aspectos das áreas nobres da Cidade.

“Não dá para conceber uma política de saúde homogênea para uma cidade que é desigual”, avalia Adriano Almeida, sociólogo e integrante do comitê popular.

Logo no início da pandemia, lembra o sociólogo, “os dados [epidemiológicos] apontavam que a tendência seria de as periferias terem mais evolução para óbitos do que nas áreas nobres, onde o atendimento [à saúde] e a qualidade de vida dos moradores era melhor”. 

Isso porque, além de, nessas regiões, o acesso a serviços de saúde ser mais restrito e as condições de moradia serem mais precárias, as periferias concentram uma grande fatia de pessoas com comorbidades — o que agrava a infecção — e têm dinâmicas culturais que dificultam o cumprimento das medidas de isolamento social.

Legenda:
Com alta de casos e, principalmente, de óbitos, comunidade cobra estratégias de enfrentamento à Covid-19 específicas para as periferias de Fortaleza.

Foto:
Camila Lima

“Nossa preocupação é que, agora na segunda onda, com cargas virais mais altas e variantes mais contagiosas, o impacto disso na periferia seja muito maior do que já está. Nosso clamor e nosso alerta é para pautar essa nossa leitura de cidade na agenda epidemiológica da SMS (Secretaria Municipal da Saúde)”, disse Adriano.

Reuniões virtuais

Nesta segunda-feira (8), o comitê deve se reunir virtualmente com pastas do poder público municipal e estadual para dialogar sobre assuntos como testagem em massa para diagnóstico precoce, organização do fluxo de assistência e melhoria da estratégia vacinal.

Sobre a última questão, Adriano argumenta que o Brasil é reconhecido mundialmente pela agilidade e eficácia das campanhas de imunização e que organizar esquemas de vacinação por sites ou aplicativos para smartphone e aplicar por drive-thru segrega ainda mais a periferia da região nobre, além de que subutiliza equipes de Saúde da Família dos postos. “É um processo de vacinação muito injusto, desigual, lento. Não é efetivo”, opina o sociólogo.

Contudo, segundo Adriano, o diálogo com a Prefeitura, que se intensificou na semana passada, tem resultado em mudanças como uma busca ativa maior por idosos com pendências vacinais e de pessoas que passaram pelos postos de saúde com sintomas de síndrome gripal.

Com a permanência desse diálogo, o representante comunitário espera envolver outras associações de bairro e criar um grupo de trabalho intersetorial e participativo, “que tenha ações tanto urgentes, emergenciais, como de médio e longo prazo, porque a gente precisa interferir em práticas comportamentais, lógicas culturais. E, quanto maior o engajamento do poder público, mais efetivo vai ser [esse trabalho]”, acredita.

O Diário do Nordeste procurou a SMS para confirmar a participação da pasta no encontro virtual com o comitê do Grande Bom Jardim e saber se a Prefeitura prevê a montagem de grupo de trabalho para desenhar estratégias específicas de enfrentamento à pandemia na periferia, mas, até o fechamento desta matéria, não obteve retorno.

Óbitos no Grande Bom Jardim

Veja o número de óbitos por bairro do Grande Bom Jardim, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Prefeitura sexta-feira (5):

  • Bom Jardim – 79 óbitos
  • Siqueira – 56 óbitos
  • Canindezinho – 57 óbitos
  • Granja Lisboa – 115 óbitos
  • Granja Portugal – 71 óbitos


Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza





Por , em 2021-03-07 20:05:43


Fonte diariodonordeste.verdesmares.com.br

Redação

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: