Empresas realizam campanha para arrecadação de cilindros de oxigênio no Ceará | Ceará – Últimas Notícias do Ceará – Jornal Notícias do Ceará

Cilindros de oxigênio da UPA do Edson Queiroz, em Fortaleza, no Ceará (Foto: Aurelio Alves)

O aumento no número de contaminados pelo coronavírus no Ceará tem preocupado os mais diversos setores sociais do Estado. Nesta semana, o secretário de saúde do Estado, Dr. Cabeto, informou que todos os hospitais particulares de Fortaleza estão em estado crítico de colapso diante do aumento de internações.

No último fim de semana, o atendimento público também passou por problemas. Cerca de 15 pacientes foram transferidos para o Instituto Doutor José Frota 2 (IJF2), para o Hospital Estadual Leonardo Da Vinci (HELV) e para a UPA do Itaperi após faltar oxigênio na UPA do Edson Queiroz.

O agravamento da situação levou o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico no Estado do Ceará (Simec) a buscar formas de apoiar o sistema de saúde do Estado.

Em nota publicada e assinada pelo presidente do Simec, Sampaio Filho, o Sindicato lançou a campanha “Vamos manter o Ceará respirando”. O comunicado faz um apelo aos que compõem parte das indústrias metalmecânicas do Estado.

“Temos uma oportunidade ímpar de dar a nossa contribuição para a preservação da vida do povo cearense. Em nossas empresas, utilizamos cilindros recarregáveis de aço, que são compatíveis com aqueles utilizados para o abastecimento de oxigênio nos postos de saúde e hospitais”.

LEIA TAMBÉM| HGF instala leitos em tendas para atender casos que não são Covid

Além de arrecadar cilindros de oxigênio, o movimento busca colaborar com soluções de logística junto a seus associados.

Annette de Castro, Vice-presidente da Mallory, Fundadora e Líder do Grupo Mulheres do Brasil Núcleo Fortaleza e uma das organizadoras do movimento, mostra preocupação com a atual situação do Ceará.

“Cada hospital está buscando se virar com o consumo mais elevado, a maioria está com o consumo em dobro. 154 dos 184 municípios utilizam somente cilindros, eles não têm outra opção de oxigênio. Então, a gente lançou essa campanha porque entendemos que existem cilindros parados em vários lugares do Estado”, explica Annette.

A representante do Líder do Grupo Mulheres do Brasil conta que a ação busca angariar cilindros de forma momentânea.

“Dentro das empresas, dentro dos restaurantes, dentro de casas, o que estamos pedindo é que as pessoas emprestem esse cilindro durante o momento de pandemia. Estamos à disposição para ajudar nesse logística e tentar entregar para pessoas que precisam dos cilindros para abastecerem as suas unidades de atendimento”, relata.

LEIA TAMBÉM| Mais de 500 médicos cearenses assinam manifesto contra Bolsonaro

No último domingo, 14, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), declarou que o principal problema enfrentado na questão dos cilindros de oxigênio não era a carência, mas sim dificuldades logísticas no repasse do equipamento para as unidades de saúde.

Empresas, indústrias ou pessoas físicas que tenham interesse em colaborar com a causa, emprestando cilindros recarregáveis de aço, podem entrar em contato por meio do email [email protected] ou do telefone (85) 9 9970-9071. Os equipamentos serão recolhidos pela Simec.

Ainda segundo Annette de Castro, 142 municípios cearenses já foram pesquisados com o objetivo de entender as principais dificuldades enfrentadas nessas localidades.

“Queremos tentar, de uma forma ou outra, ajudar os hospitais nesse momento de dificuldade. Tem dificuldade de internet, computador para registrar as vacinas, câmaras de refrigeração, estamos pesquisando tudo isso e procurando racionalizar para que possamos ajudar da melhor forma possível”, diz.

Nesta semana, a A&G Gás informou, em comunicado a secretários de saúde, diretores hospitalares e autoridades municipais, não ter mais condições de prover o abastecimento de oxigênio medicinal a municípios cearenses devido à alta demanda.

O serviço foi interrompido na última segunda-feira, 15. A empresa era responsável pela distribuição de oxigênio medicinal e ar comprimido medicinal a cidades cearenses como Pacatuba, Ocara, Baturité, Guaramiranga, Pacoti, Amontada e Madalena.

LEIA TAMBÉM| Parlamentares tentam garantir prioridade na vacinação para 15 categorias; saiba quais são

LEIA TAMBÉM| Deputados mantêm gastos com VDP mesmo com pandemia no Ceará

Por , em 2021-03-17 14:30:00


Fonte www.opovo.com.br

Redação

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: